22.9.11

You were only waiting for this moment to be free

 iPod no ouvido, os passos largos, mochila pesada e aquele ar fresco das manhãs de setembro. É engraçado como essa cena se repete cinco vezes por semana e eu nunca realmente parei para refletir sobre ela.
 Nós vivemos em bolhas muito restritas, em nossos próprios arredores e seus habitantes. As coisas novas no nosso dia-a-dia normalmente vem de situações das quais esperariamos acontecer, nada muito fora do ciclo em que vivemos. Mas se repararmos bem, existem pequenos elementos, pequenas coisas que vemos ou passamos frequentemente, e que nunca realmente prestamos atenção. Esses pontos fazem parte das nossas vidas, das nossas referências, mas se vão embora, dificilmente se é notado. 
 Parar para pensar no destino daquele moço de dreads que sempre entra no Vila Rosa das 6h43, por que o guarda da rua não retribuiu o seu "bom dia" de hoje, ou até mesmo em como as rosas da sua vizinha estão bonitas. Já são exercícios validos. E eu não digo isso num sentido ruim e meio perseguidor de tentar se meter na vida dos outros, mas em pensar além da bolha, enxergar alguns territórios desconhecidos, as coisas pequenas.
  E isso me deixa feliz de vez em quando. Sabe, só do fato de prestar atenção em uma coisa além do superficial, que pode não fazer diferença nenhuma na sua vida dentro da bolha, mas que vai te dar um espaço para escapar das preocupações de sempre. É como ficar sem fazer nada, só observar, pensar. Mas não em você, nós já pensamos de mais em nós mesmos, no mundo.
 Saí para correr esta tarde, e o intuito de queimar algumas calorias acabou se transformando em outra coisa. Eu me destraí com o céu, o vento, o barulho das folhas secas em contraste com os meus passos. A vida é muito louca, estarmos vivos é muito louco, e descobrir isso todos os dias me dá muito medo. Acho que vai além do medo. Me da sede, me da vontade.
 Quando nos deparamos com essa força em um dia qualquer de nossa rotina, tudo fica diferente. As coisas ficam mais claras, mais soltas, e ao mesmo tempo mais complexas. Cada partícula da Terra deve se sentir do mesmo jeito que nós.
O  mundo nos observa e a gente observa o mundo.

Trilha sonora: Blackbird - The Beatles

Au Revoir!

2 comentários:

engraçado como nós podemos ajudar alguém com um simples comentário, uma música, um texto...
tenho certeza de que os Beatles ajudaram na inspiração do texto!
Paz
beijos
Haaa. Dizer o qão incrível foi ler esse texto é difícil, Alice!!

Pois, são poucas pessoas que param para reparar nessas pequenas coisas!!

As tardes, quanto parto para o colégio, observo a fila de carros parados em um transito em minha rua... :/ As pessoas naquele calor querendo apenas chegar em seus respectivos lugares...

Também tem aquelas pessoas voltando do trabalho em torno das 16h... Todos com expressões cansadas e suados... Após pegarem onibus e subrem uma rua longaaaa...

Ahh tem tbm a senhorinha de bicicleta preta e sempre limpa... HAAA Observar os pequenos detalhes... Nos trazem aqueles momentos que chamo de reflexivos... Mais uma coisa que me identifiquei com você..

Pena que hoje em dia as pessoas não param para pensarem nisso: O qão gostoso e vivenciar os pequenos momentos, logo que eles geralmente são os mais deliciosos!!

Beijo Grande,
Lenice S.

Risoos, a garotaa que escreve textos nos comentários hahaha, desculpe-me xDDD Rs

Postar um comentário

votre avis