8.12.12

You say you wanna start something new

 É isso aí, meia-noite e meia, véspera do meu último vestibular do ano, e eu, desleixadamente, cantando um clássico dos anos 70 com a minha escova de dentes na mão. É engraçado pensar em como as coisas podem mudar em um período de tempo tão curto, basta alguns acontecimentos se encaixarem da maneira correta.
  No começo desse ano eu tinha um plano muito certo. Ou pelo menos achava que tinha. Para mim, não era segredo nenhum o que aconteceria depois que escola acabasse. Eu iria estudar muito, passar no vestibular e, no ano seguinte, embarcar na vida uniersitária. Simples assim. Eu não imaginava o quão irregular e estimulante 2012 seria.
 Por mais que o ano não tenha deixado milhares histórias maravilhosas para contar, a vivência dele em si foi muito complicada e, mais do que isso, importante para mim. Importante no sentido de aprender que existem muitos outros lados de mim mesma que eu não conhecia, e que às vezes tudo bem não seguir as coisas conforme o planejado.
 Durante toda a minha vida eu tentei provar a mim mesma que conseguiria atingir minhas metas, mas nunca tinha parado para pensar o que cada uma delas significava. Às vezes nós colocamos nossos objetivos tão à frente de tudo que acabamos reprimindo todos os outros caminhos alternativos. E, quando meu objetivo a longo prazo deixou de ser tão distânte e se tornou realidade, eu percebi que talvez ele não tudo aquilo que eu queria para esse momento da minha vida.
 Por mais que eu odeie admitir, eu estou morrendo de medo. Pela primeira vez eu não tenho certeza nenhuma do que vai acontecer a partir de agora, e isso é aterrorizante. Ao mesmo tempo, eu não consigo deixar de pensar nas inúmeras possibilidades quânticas que eu tenho pela frente. Assim como com o gato de Schrödinger, tudo pode acontecer.
Cat Stevens estava completamente certo, "It's a wild world".

Trilha sonora: Wild World - Cat Stevens

Au revoir!

3 comentários:

Esses dias eu estava assistindo aquele seriado, o seriado Gossip Girl sabe? Então, uma das personagens, a Blair, sempre fora controladora. Chegou em uma época em que ela se deixou levar pela loucura só pelo fato de que ela não aguentava ficar sem saber qual era o destino dela. Ela não sabia o que aconteceria nos próximos capítulos da vida dela e isso á deixava louca. Chegou á um ponto em que ela estava já jogando tudo pro alto só por causa de não saber qual era o rumo que a vida dela tomaria dali em diante. Eis então, Nate, um amigo\ex dela foi conversar com ela. A conversa que ele teve com ela me explicou tudo, fez com que eu entendesse o que ela estava sentindo. Foi mais ou menos assim:
N: Lembra de quando éramos pequeninos e íamos assistir filmes?
B: Sim, o que que tem?
N: Então, qual era o seu filme favorito?
B: A Bonequinha de Luxo
N: E qual que assistíamos sempre?
B: A Bonequinha de Luxo, já assisti esse filmes inúmeras vezes e nunca me cansei dele ~risos~
N: Você gosta desse filme porque você sabe como vai ser o final. Imagine que a sua vida seja um filme: Você nunca assistiu á esse filme, você não sabe qual vai ser o fim que ele vai tomar. É isso o que mais te deixa louca: você sempre esteve no controle de tudo, sabia tudo o que aconteceria e agora, chegou um ponto em que não dá mais pra ''prever'' as coisas. O que você tem que fazer, é não desistir de assistir á esse filme mesmo porque vai que o fim dele seja ótimo?
WOW pra esse comentário de cima hein... :o
Alice faz um post das músicas que você tá ouvindo ultimamente MMM :)

Leonardo

Postar um comentário

votre avis