14.1.11

Lazy Week

Eu tenho estado tãaaao preguiçosa nesses últimos dias.. Sei lá, os dias tem passado mais rápido, o que significa que eu acabo ficando mais nervosa, o que significa que eu como mais (e na maioria das vezes doce), o que significa que depois eu fico frustrada e resolvo ir dormir. Eu sei, péssimo.
Mas se alguém no mundo conseguisse entender o turbilhão de coisas que vem passando pela minha cabeça, talvez soubesse o quanto é estranho. Eu ainda estou me acostumando a gostar de São Paulo e saber que daqui à duas semanas eu não vou morar mais aqui.
Bom, a única coisa que eu sei, é que eu me sinto muito melhor quando estou mais organizada, quando as coisas estão no lugar. Então eu tenho que parar de uma vez por todas com essa semana preguiçosa e largada. Eu juro que não sei como consegui relaxar tanto assim sabendo que ainda falta tanta coisa pela frente.Vamos voltar aos eixos. 
Apesar do desastre desses últimos dias, que por sinal não adiantaram absloutamente nada na minha vida, o Serra declarou que a proposta de tombamento do Belas Artes está indo muito bem e que é provável que o cinema vire mesmo patrimônio! Depois do último post, você deve imaginar como eu estou feliz!
Aliás, hoje à noite vou viver um clássico do cinema paulista: O noitão. Passar a madrugada vendo filmes com os amigos e sair só de manhãziha, pra tomar café. Eu nunca pensaria em fazer nada remotamente parecido, mas eu me apeguei tanto à idéia de tentar coisas novas.. Confesso que eu venho me surpreendendo com algumas escolhas minhas, utimamente. Mas acho que isso é bom, não é mesmo?
E por último, eu precisava comentar sobre a decepcionante entrevista da Mônica Bergamo com a Vera Fischer na sessão Ilustrada do Estadão de um tempinho atrás (eu daria uns bons dois meses). Hoje de manhã, eu sentei na mesa do café, coloquei a chaleira no fogão, para o chá, e encontrei uma página do jornal dando sopa na bancada. Uma foto imensa da Vera Fischer pairava sob a primeira página da Ilustrada, o que me fez questionar o que (diabos) ela estaria fazendo lá. Sem nem pensar duas vezes eu devorei a matéria em questão de segundos.
Eu deveria, realmente, ter pensado melhor e optado por comer o meu mamão e esperar a minha mãe terminar de ler o jornal de hoje.
Eu nunca tenho nada contra alguém que eu não conheça, e essa não vai ser a primeira vez, mas que aquela entrevista me deixou boqueaberta ela deixou...
Bom, vou terminar o post com alguns fragmentos da matéria e você interpreta como preferir:

"Vera F. - Meus personagens não são nunca pobres, são sempre ricos (gargalhadas).
Coluna - Por que?
Vera F. - Porque eu não gosto, não sei escrever pra gente pobre. Eu detesto."



Au revoir!



2 comentários:

Alicezinha , depois que você fazer sua mala pro canadá vc podia colocar tudo que comprou numa lista aqui no blog pra ajudar quem ficou em duvida.. E outra coisa, não fique nervosa vc e uma pessoa muito inteligente e logo logo verá que ese teu nervosismo é inutil tudo dará certo enfim..
Aaaah, Max, brigada de verdade! Você não tem idéia do quanto é bom receber essa força.. E pode deixar que eu vou fazer isso (:

Postar um comentário

votre avis